sábado, 17 de agosto de 2013

Paletes - Fundamentais na cadeia logística

Paletes - Fundamentais na cadeia logística

Os paletes têm papel fundamental na logística. De madeira, plástico, metal ou fabricadas a partir de sucatas de vários tipos de materiais, os paletes são “velhos conhecidos” dentro da cadeia logística.

“Os paletes têm a finalidade de suporte para algum componente, sendo utilizados na movimentação interna ou em partes de um processo de transporte. São aplicados em todos os processos que buscam a otimização de áreas verticais, favorecendo a uniformização do local de estocagem e agilizando a movimentação de cargas, auxiliando, inclusive, na proteção dos produtos unitizados, expõem Manuella de Castro, analista de PD&I, e André Bagatin, gerente comercial, ambos da Embafort, que produz paletes de madeira, referindo-se à importância do palete na cadeia logística.

Sobre o mesmo assunto, Roberto Vieira, gestor de negócios da Embala Sul Industrial, que fabrica paletes e embalagens de madeira – diz que a importância dos paletes na cadeia logística é a quantidade de meios humanos e materiais necessários para carregar num caminhão um determinado número de produtos, durante um período de tempo, ou seja, a produtividade obtida durante a operação. “Isto significa que, quanto menor forem os meios e o tempo necessários para encher um caminhão, maior é o grau de utilidade da embalagem.” Sergio Wosch, da gerência de vendas e desenvolvimento de produtos da Embrart, fabricante de paletes de papelão e de OSB com tubetes de papelão, aponta que o palete é fundamental para o bom funcionamento de toda a cadeia logística. Sua finalidade é dar condições de movimentação, proteção e segurança aos produtos que circulam entre as empresas.

O palete tem uma das funções mais importantes na cadeia logística, uma vez que é o unitizador principal de toda a cadeia. Devido a sua grande resistência física e mecânica, suporta e absorve todas as forças de apoio, pressão, torção e compressão lateral que a carga estaria exposta – imagine dois garfos de aço da empilhadeira suspendendo e movimentando um computador novo ... será que sobra alguma coisa? Com a utilização de um palete adequado e equipamentos de movimentação e armazenagem idem, consegue-se economizar na embalagem de papelão e sacaria. O palete tem a principal missão de unitizar e, também, de proteger as cargas do contato direto com os garfos da empilhadeira e das longarinas do porta-paletes ou rack, com um preço muito acessível: é um dos ítens mais baratos de um CD.

O palete é considerado ‘a base da logística’ e, atualmente, é utilizado desdeuma linha de produção até na armazenagem no destino final e, em alguns casos, chega a ser unidade de medida, ou seja, é vendida somente a quantidade de um palete do produto. Com a padronização e o lançamento do palete PBR em 1990 atingiu-se consideráveis reduções de custos com armazenagem, transporte e descargas, além da sua principal finalidade, que é o intercâmbio entre as empresas, que trocam os paletes em suas operações. Hoje, o palete é fundamental em todo o processo, imagine uma linha de produção parar por falta de paletes, uma expedição deixar de processar por falta de paletes, uma descarga de produtos sem o palete, armazenar sem o palete. Esta é a posição de Valdir Cirielli, diretor da Matra, especializada em paletes de madeira.

Raquel Grossmann, da Pallet do Brasil, que opera com paletes de madeira, plástico e metal, utiliza-se de um exemplo para expor a importância do palete. “Já tivemos um cliente, de porte grande, no qual a compra de paletes era monitorada pessoalmente pelo presidente da empresa, o que me leva a afirmar que a importância desse item na cadeia logística é de fato significativa. Atrasos, faltas e paletes não-conformes geram perdas de faturamento e prejuízos diversos, podendo levar até a perda do cliente”.

Para Marcelo Queiroga, sócio-administrador da Ecowood Rio, que produz paletes a partir de plásticos agregados a fibras orgânicas, o importante é a carga, o palete é coadjuvante. A função do palete é muito simples: uma ferramenta que permite levar uma carga de um ponto a outro em segurança com rapidez e praticidade. Acreditamos que sua importância é a mesma da paleteira, da empilhadeira e dos racks. Se levarmos em conta que essa necessidade é grande, e que provavelmente qualquer empresa que tenha a necessidade de transportar cargas com regularidade precisa, de uma forma ou de outra, utilizar algo que permita racionalizar esse movimento, nós temos uma ferramenta racional.

Para Wosch, da Embrart, e Neves, da Longa, a concorrência que existe é entre os tipos de materiais usados. Os paletes de madeira são os mais baratos e reforçados que existem. Aplicam-se mais em casos de paletes descartáveis. Porém, quando se trata de exportação, há a necessidade de tratamento fitossanitário. Os paletes de papelão são mais leves que os de madeira. Aplicam-se mais em casos de paletes descartáveis e com frete aéreo. São sensíveis à umidade, mais frágeis e mais caros que os de madeira. Os paletes de OSB com tubetes de papelão são mais leves que os de madeira. Aplicam-se mais em casos de paletes descartáveis. São isentos de Certificação Fitossanitária, mais caros que os paletes de madeira e mais baratos que os de papelão. Os paletes plásticos são mais leves e duráveis. Aplicam-se mais em casos de paletes retornáveis. São isentos de Certificação Fitossanitária e os mais caros de todos. Têm limitações dimensionais.

Para o vice-presidente da Unipac, também são consideradas concorrentes as empresas que fornecem paletes de baixa qualidade, tanto de plástico como de madeira. No caso dos paletes de madeira, apontamos como um fator preocupante a falta de controle eficiente, por parte dos órgãos governamentais, sobre a origem da madeira utilizada. Falta, também, uma maior fiscalização sobre os sistemas de controle fitossanitários.

Cirielli, da Matra, avisa que ainda não existe um concorrente direto para os paletes de madeira. Paletes de papelão, plástico, aço, alumínio, etc. existem, mas em pequenos volumes e dirigidos a determinados mercados. O maior concorrente do palete PBR é o mercado de paletes usados, que são desviados do seu curso natural e revendidos no Estado, sem as mínimas condições de higienização.

Fonte: Matéria elaborada pela equipe de redação da Revista da Madeira

Nenhum comentário:

Postar um comentário